Mensurar corretamente o Shelf Life de seus produtos não é apenas uma estratégia para otimizar o giro de estoque do armazém, mas também uma prática fundamental, que pode contribuir desde a redução de perdas de itens até a fluidez dos seus processos no Supply Chain.

Porém, apesar de parecer complexo controlar com exatidão o “tempo de prateleira” de cada produto no estoque, hoje o advento da tecnologia nos permite otimizar tal tarefa e torná-la, de forma geral, simples, prática e eficiente.

sistema WMS, software amplamente utilizado na gestão de estoque no mundo inteiro, é um dos exemplos de ferramentas eficazes para controlar o Shelf Life dos produtos em um armazém. Sendo assim, vamos direto aos conselhos e exemplos para entender melhor o assunto!

Afinal, o que é Shelf Life na gestão de estoque?

A melhor definição para Shelf Life na logística é a tradução literal do termo: “vida ou tempo de prateleira”. Ou seja, a ideia é possibilitar um cálculo exato do período que um item pode ou deve ficar armazenado no estoque, evitando, assim, qualquer risco de perda.

Na prática, o Shelf Life considera o momento em que tal produto “ganha vida” — ou seja, é fabricado — até a sua entrega. Logo, há diversos fatores nesse trajeto que podem ser levados em consideração para se calcular o seu tempo ideal de armazenagem, como data de fabricação, número de lote, prazo de validade, SKU etc.

Como calcular o Shelf Life de um produto?

Não há uma receita pronta para calcular a vida útil de um produto dentro do estoque.

Isso vai sempre envolver infinitas variáveis, que cabe aos fabricantes e gestores determinarem, para assim poderem definir um prazo mais factível.

Por exemplo, entre os inúmeros fatores que podem influenciar o Shelf Life de um produto, destacamos os seguintes:

  • tipo de produto e características físicas/químicas;

  • riscos de contaminações;

  • processos de manuseio e movimentação dos itens;

  • fatores como temperatura, luminosidade e umidade nas prateleiras;

  • higienização e limpeza do ambiente de armazenagem;

  • tipo de SKU utilizado;

  • sistemas de armazenagem utilizados (FIFO, LIFO etc.).

Shelf Life

Como controlar o Shelf Life do produto na prática?

Sabendo identificar melhor o Shelf Life de cada item em seu armazém, é possível otimizar o seu controle e giro, evitando, assim, que ele se perca ou seja influenciado de alguma forma pelo seu tempo de prateleira.

Nesse sentido, o uso de um software de gestão de estoque se torna indispensável, em especial por sua capacidade de automação de processos.

Por exemplo, a implementação de um sistema WMS torna possível controlar a movimentação interna de seus produtos por diferentes variáveis, como a data de fabricação, o número do lote, o nome do fornecedor, o prazo de validade e o tipo de embalagem, entre outras.

Conheça todas as funcionalidades de um sistema WMS

Por meio de etiquetas com códigos de barras e coletores de dados, diversas tarefas podem ser realizadas no armazém de forma rápida, simples e segura, desde a chegada do produto nas docas até o seu carregamento.

Os principais resultados dessa automação da gestão de estoque são:

  • controle exato do Shelf Life dos itens;

  • redução de custos e eliminação de perdas;

  • otimização de processos;

  • agilidade na movimentação interna;

  • economia de tempo e recursos para controles.

Enfim, essas são as dicas essenciais para mensurar e, principalmente, controlar o Shelf Life de seus produtos em estoque.

Atualmente, tal prática pode ser automatizada graças a ferramentas como o sistema WMS, garantindo não apenas mais facilidade nesse controle, mas também uma otimização completa de seu Supply Chain.

Gostou das dicas? Quer saber melhor como controlar o Shelf Life, reduzir perdas e otimizar processos em seu armazém? Então, converse com um de nossos especialistas e agende uma apresentação do AUTOLOG WMS!